Designer Gráfico2019-02-07T11:04:50+00:00

O que faz um Designer Gráfico?

Designer Gráfico é o profissional que atua na área de Design Gráfico. Certo, já sabemos o que é o Designer Gráfico, ou seja, o profissional, mas e o que faz um Designer Gráfico? Qual suas funções e o que o designer precisa saber para atuar no mercado? Neste artigo – assim como em todo nosso site -, você vai encontrar as definições, funções, e todo tipo de informações para estar por dentro sobre como ser um bom profissional. 

Designer Gráfico

Designer Gráfico

Para entender suas funções e atribuições, vamos tentar perceber primeiramente as variações e possibilidades de atuações na área do Design Gráfico. 

Por exemplo: uma moça jovem foi a uma loja de roupas. Ao passar no caixa, a vendedora pediu que fizesse um cadastro, para receber novidades por e-mail e tudo mais. A moça respondeu todos os campos; inclusive no que perguntava sua profissão: “médica”. A vendedora recebeu a ficha, rolou os olhos pelo conteúdo, olhou para a compradora e perguntou: 

— Mas médica de quê? 

Pergunta importantíssima, afinal dentro desse ramo há milhares de profissionais diferentes: cirurgiões, clínicos, oftalmologistas, pediatras, oncologistas, veterinários e por aí vai. 

No design acontece a mesma coisa. São centenas de variações e áreas para se trabalhar. Temos o designer gráfico especialista em impressos, temos o designer digital, o web designer, o designer de imagens tridimensionais, de produtos, de projetos, de animações em 2D, em 3D, de interface do usuário, de jogos para celular, de aplicativos mobile. Listar tudo seria quase impossível num artigo.

Mas então o que faz quem trabalha como Designer Gráfico?

Bem, a pergunta já limita bastante as opções. Há a palavra “gráfico” aí. Assim, darei ênfase as três principais variações deste grupo e o que se deve saber ou dominar em cada uma, ou seja, o que um designer gráfico precisa saber?

Designer Gráfico de materiais impressos

O paizão de todas as ramificações. A meu ver, o designer gráfico que cuida de materiais impressos é tão antigo quanto o designer de produto. O homem das cavernas pintou nas paredes e esculpiu um banco na madeira para contemplar o que havia feito. 🙂  

Aqui o profissional possui uma gama alta de trabalhos que pode realizar. Os mais comuns são:

  • Logotipo

  • Cartão de visita

  • Cartaz

  • Ilustração

  • Folheto

  • Convite

  • Anúncio

  • Faixa e Banner

  • Catálogo, manual, revista, jornal ou cardápio

  • Placa de sinalização ou de informação

  • Livro

  • Adesivo

  • Estampa

  • … e outras coisitas mais!

Quais os programas que um designer gráfico usa

Quais os programas que um designer gráfico usa?

O que há em comum na criação de todas estas peças é que o profissional precisará dominar dois tipos principais de programas gráficos: um de vetor, outro de tratamento de imagens pixeladas.  

No primeiro caso existem dois bastantes usados no mercado, cada um com seus pontos positivos e negativos: o CorelDraw e o Adobe Illustrator. O primeiro considero mais fácil de aprender e com alguns macetes interessantes; o segundo é mais completo e resulta em arquivos mais bem fechados para a gráfica.  

Programas Gráficos e o Mercado de trabalho para um Designer Gráfico

Dominar os dois seria um diferencial já que o mercado não é unânime na adoção de um. Os programas gráficos para vetores são bastante usados principalmente na criação de logotipos, cartões, adesivos, convites e estampas, mas com certeza irá usá-los nem que seja em parte na criação de todas as outras peças. 

Já no caso das imagens pixeladas é difícil encontrar um concorrente à altura do Adobe Photoshop. Ele beira a perfeição e atende diversos ramos do design, principalmente os impressos e digitais.  

Aqui é importante saber recortar bem uma foto (cabelo é uma desgraça!), balancear os tons e as cores, aplicar efeitos sobrepostos nas camadas e por aí vai. Quando mais você conhece e mais macetes descobre, mais trabalhos originais conseguirá realizar. Requer também uma dose cavalar de perfeccionismo, senso de organização e paciência para terminar um detalhe que pode levar horas ou dias para ficar bom. 

Como é o trabalho de um designer gráfico? Particularidades que o designer gráfico precisa saber sobre programas gráficos

Como o fim do trabalho deste profissional é a impressão numa superfície, temos que “fechar” o arquivo antes de enviá-lo para a gráfica. Fechar basicamente consiste em salvar no formato PDF — disparado o mais seguro e o que apresentará menos erros de compatibilidade. Só isso? Não. As cores precisam estar no modo CMYK. Há gráficas que aceitam RGB, mas são minoria e o resultado não é dos melhores. 

Para falar a verdade, a arte sempre fica diferente no papel, por mais equilibrado que esteja o seu monitor. Com a experiência, o designer gráfico consegue perceber qual a cor exata será impressa simplesmente olhando para a composição em CMYK.  

Ainda assim, a variação das cores pode mudar de gráfica para gráfica. Considero isso um dos grandes problemas na área do design de impressos, algo que a tecnologia ainda não resolveu cem por cento. 

Bom, se você quer estar por dentro de tudo isto que estou apenas explicando brevemente, deve dar uma olhada neste curso aqui. Recomendo pois é bem completo!

Outro grande problema, o maior deles, é que não se pode voltar atrás numa impressão. O designer de impressos precisa revisar e revisar o seu trabalho mais do que todos os outros profissionais da área. Conferir cada um dos elementos gráficos e ler minuciosamente o texto até para ver se a conversão em PDF não comeu uma vírgula. 

Dicas do que faz um designer gráfico para preparar arquivos a partir dos programas gráficos

Qual o objetivo de quem trabalha com design gráfico?

Há outros detalhes que o profissional precisa se atentar há hora de preparar arquivos nos programas gráficos:

  • Sangria
    A arte precisa ser ligeiramente maior do que o tamanho que terá acabada se o fundo tocar nas bordas do papel. Aí cabe também aplicar as marcas de corte e de registro, para a gráfica se orientar com a guilhotina. 

  • Fontes sem erro de conversão
    Há casos em que a fonte muda ao ser salva em outro formato de arquivo, perde uma cê-cedilha ou um assento quando convertida em PDF. Geralmente é um erro de quem criou a fonte. Mas o cliente não levará isso em consideração se pegar um erro de leitura ou de ortografia no trabalho que você entregar. Releia arquivos fechados sempre. 

  • Resolução
    Imagens pixeladas devem ser inseridas no trabalho e fechadas no tamanho original de no mínimo 300 dpis de resolução. Uma taxa menor gera “borrão”, a pixelação fica evidente na imagem. Imagine uma foto de RG, 3 por 4, ampliada e impressa no tamanho de uma folha sulfite. Você será um sortudo se conseguir enxergar a cor dos olhos da pessoa. Ah, eu sei, dependendo do tamanho da peça gráfica — um cartaz gigante, por exemplo —, fica difícil manter a foto nos 300 dpi. Trabalhe com a melhor resolução possível, seja coerente no que vai mandar imprimir e explique o que pode acontecer para o cliente. 

  • Custo do cliente
    Eu sei que a pasta que você quer fazer ficaria linda com uma bolsa para se colocar papel toda estilizada, ou que seria “da hora” um cartão de visitas redondo, ou que aquela capa de livro se destacaria na vitrine se uma das cores fosse fluorescente. Mas é prudente que o designer gráfico tenha em mente que tudo isso encarece a confecção, e por mais que não seja você a pagar, pense no bolso do cliente e na viabilidade do que elucubrou. Um cartão de visita redondo, como citado, seria um pesadelo para quem o recebe. Como ele o guardaria na carteira? E como o livro com tinta fluorescente chamaria a atenção numa livraria com as luzes acesas? Gasto à toa que o cliente se toca, e aí pega mal para o designer. Você ganhará muitos pontos com o cliente se mostrar preocupação com a verba dele. 

  • Mudança de aplicação da arte
    Você criou aquele superlogotipo tridimensional, com dezenas de gradientes, elementos sobrepostos, fundo colorido e o cliente adorou! Ah, que bom para você! Mas aí, amanhã ou depois, ele quer um timbrado em preto e branco com o logo no cabeçalho, ou uma estampa de camiseta que só pode ser feita em serigrafia. Nesta hora, pode ter certeza, você vai pensar em um palavrão. Seu superlogo supercomplexo não possui multiaplicabilidade. Fica a dica: sempre crie logos, ícones e até algumas artes pensando na versão em escala de cinza, preto e branco ou na separação das cores ou dos seus elementos. A arte poderá até não ficar tão UAU!, mas você deitará a cabeça no travesseiro e dormirá tranquilo. 

  • Revisão
    Nunca é demais repetir: revisar, revisar e revisar sempre — Pelo amor de Deus, revise antes de mandar para a gráfica! Impressão feita não é desfeita e custa caro! 

  • Imagem mais escura no impresso
    Geralmente a peça gráfica tende a ficar mais escura no papel. Então, na dúvida, aconselho a fechar a arte com o brilho um pouco mais alto e as cores um pouco mais claras do que pretende ver no impresso. 

Agora você já tem uma ideia o que faz quem trabalha com design gráfico, mas antes que eu vá para outra ramificação do design, não posso esquecer de falar sobre diagramação. O software mais usado no mercado é o Adobe InDesign, embora existam outros. Você precisará deste tipo de programa para criar manuais, catálogos, revistas, jornais e livros, pois eles possuem ferramentas perfeitas para lidar com várias páginas e aplicar padrões de cor e de estilo. Também é o melhor para trabalhar com volume grande de texto. Provavelmente você o usará em conjunto com os programas de vetor e de imagens. 

Nos casos de livros e manuais extensos, esse tipo de programa é perfeito para se fechar uma quantidade absurda de páginas em vários caderninhos a serem postos numa sequência. Pegue um livro, olhe para a grossura dele (o miolo), precisamente para a parte de cima ou de baixo, e você verá uma sequência de páginas (caderninhos) postas em conjuntos formando vários “U”. Chamamos a isso de encadernação por brochura. 

E quem trabalha como designer gráfico para materiais digitais?

A especialidade voltada ao mundo digital. Aqui, em teoria, nada será impresso. Os softwares utilizados pelo designer digital são praticamente os mesmos do designer gráfico de impressos, talvez com o acréscimo de outros, como o Lightroom para tratamento de fotografias. 

Sai o CMYK entra o modo RGB. Tchau PDF e sangria, sejam bem-vindos Salvar para Web e os formatos PNG e JPG compactado. A publicação aqui não tem grandes chances de se transformar numa catástrofe. Você vai lá, faz a arte, fecha no formato de publicação e publica. Puxa! Passou um erro? Tudo bem, deleta e publica de novo com a alteração. Ninguém sai ferido. 

O que produz o Designer Gráfico para materiais digitais?

Os trabalhos mais comuns nesta área são a criação de:

  • Anúncio para rede social

  • Tratamento de imagens para publicação em sites

  • Imagem de usuário em rede social

  • Logotipo de site ou blog

  • Apresentação profissional de PowerPoint ou de outro programa

  • Ebook (capa e diagramação)

  • Ilustração para publicação

Os arquivos voltados para publicação por meio digital são mais leves que os impressos, já que a resolução deles geralmente é menor que 300 dpis. As artes, se fossem impressas, provavelmente seriam menores que uma folha sulfite A4. Então você trabalha com arquivos mais leves. 

As técnicas são as mesmas. Organização, harmonia, legibilidade, estilo e movimento, tudo isso tem que ser bem pensado e aplicado pelo designer gráfico digital. A maior diferença entre o digital e o impresso é realmente o meio de veiculação. 

Até agora parece que tudo são flores, certo?! 

Errado. 

O que muda nas funções do designer gráfico que trabalha para meios digitais?

O crítico aqui não é a revisão (embora tenha que ser feita), mas sim o capricho nos detalhes. Já viu aquela imagem recortada e inserida em outra que, por causa das cores, das arestas, do contraste ou das sombras, ficou evidente a edição? Pois é, os detalhes na arte digital saltam mais aos olhos do que nos impressos. Cortes mal feitos no Photoshop, acabamentos toscos de arestas, diferenças gritantes de resolução dos elementos, de contraste e de cores são mais percebíveis na tela do que no papel. A sombra de uma xícara um pouco mais densa do que deveria ser gerará estranhamento. Tente diminuir a barriga de uma pessoa no Photoshop sem ser absurdamente caprichoso em todos os detalhes e receberá uma legião de comentários na internet apontando a sua grosseria. 

Em suma, o designer digital precisa ser chato consigo mesmo, muito mais do que será chato o público-alvo. 

Detalhes para o profissional de design que trabalha para peças digitais

Vamos aos problemas que o profissional digital deve se atentar:

  • Tipografia
    As opções são mais limitadas do que as aplicadas num impresso. Fontes com
    serifa, por exemplo, só recomendo usá-las em tamanho grande, como nas capas dos ebooks. No restante, as sem serifas simples, como Helvetica, Roboto e Calibri, são as mais recomendadas por serem mais legíveis em diferentes tamanhos e dispositivos, desde a tela de um celular até a projeção feita por um retroprojetor.

  • Crie primeiro a peça gráfica maior
    Você foi contratado para fazer diversas peças gráficas para uma loja on-line. Precisará criar o logotipo, o fundo do Facebook, a imagem de usuário no Instagram e alguns anúncios. Tudo tem que seguir uma identidade visual. Então sugiro começar pela maior em proporção de pixels, que, neste caso, seria o fundo do Facebook. Pois se partir da peça menor e aí tiver que copiar e aumentar alguns elementos, eles perderão a resolução e ficarão borrados. Dica: crie o logo no tamanho que teria se fosse impresso numa folha A4, por exemplo, e dobre o tamanho da peça maior, mesmo que a diminua depois num arquivo separado. Vai que o seu cliente te chame amanhã e peça mais um item a ser publicado, maior do que o fundo do Facebook. 

  • Mantenha sempre a versão editável
    Esta dica funciona também para quem lida com impressos, mas o erro ocorre mais com os designers digitais. Às vezes acontece de você salvar um arquivo em JPG logo no começo do trabalho e esquecê-lo de salvar em PSD, por exemplo, que é a extensão editável do Photoshop. Então, se precisar alterar algum detalhe ou corrigir uma mísera sombra, sem o PSD você irá se aninhar no chão e começará a chorar de soluçar porque a correção será tão ou mais difícil do que refazer o trabalho do zero. 

  • Formatos pequenos
    Acredite, às vezes eles dão tanto ou até mais trabalho do que os formatos grandes. Isso porque podem se transformar numa mancha se contiverem muitas formas gráficas ou se a borda dos elementos estiver suavizada demais. Já abriu um arquivo de ícone no Photoshop e deu zoom nele? Faça isso e verá como os pixels se comportam, principalmente nas bordas dos elementos gráficos — tudo reto e seco. Agora crie um ícone num tamanho médio e o diminua. Quando der zoom, descobrirá que as bordas estão bem mais embaçadas do que as daquele ícone que abriu antes. Isso acontece com desenhos e fotos e pode se transformar num desastre se você não corrigir. 

O que faz um Web Designer?

Ah, a variação do novo milênio, a profissão do futuro! Mas o que faz um web designer? 

Aqui a palavra de lei é multidisciplinaridade, afinal você tem que ser bom em design gráfico para ser um bom web designer. Em minha humilde opinião, dos três é a ramificação que requer mais conhecimentos técnicos por conta de programação, etc. E que por isso pode “dar mais problemas” do que nas duas já citadas. 

Um web designer está mais ligado ao diagramador do que propriamente ao designer digital. Na verdade, ele é a junção das duas áreas, mais a de programação. Três profissionais em um. Mais programas a se trabalhar (olá Dreamweaver!). Não é fácil. 

Basicamente o profissional cria sites, blogs e tudo que pode ser publicado na internet. Não é de sua competência criar logotipos, anúncios e cartões de visita e sim de cuidar da criação, publicação e navegabilidade de uma página web.

Qual o objetivo de quem trabalha com design gráfico?

Comparando com uma revista, fica mais fácil explicar a profissão de web designer. 

Uma revista possui várias informações reunidas e dispostas numa sequência única e linear. O site difere da revista em alguns quesitos: 

  • Informações mais objetivas
    O leitor de site não tem a mesma paciência de um leitor de revista. Então as informações precisam ser menores, sucintas e claras. Ao web designer cabe se preocupar com a legibilidade mais rápida dos textos postados nos campos que definiu; fontes simples e sem serifas, letras pretas em fundo branco ou vice-versa. 

  • Espaço praticamente infinito
    É impossível uma revista conter milhares de matérias, anúncios e informações. Mas um site pode ser praticamente infinito. É claro que essa preocupação não é bem do web designer e sim de programadores puros. Mas tudo que outros profissionais criam no site precisa ser “embelezado” pelo web designer, que pensará na forma que os botões de pesquisa terão, que destaque terá a caixa de busca e qual o formato terá os resultados encontrados. 

  • Tamanho variado
    Todas as informações de uma revista estarão inseridas na mesma interface: o papel num tamanho específico. Mas o site pode ser lido na tela do computador ou na de um celular. O web designer precisa levar sempre a mudança de tamanho da tela em consideração em sua arte.

  • Não linear
    As informações de uma revista avançam em sentido único, no virar das páginas. Mas aqui está o maior desafio
    do web designer: projetar uma interface intuitiva em que o usuário encontre o que busca praticamente por instinto. E todo esse planejamento e esforço não devem ser percebidos por quem visita o site, afinal o objetivo é se sentir confortável na navegação. Aqui a sedução da arte tem que ser sutil, quase imperceptível. Sim, chamar a atenção para a beleza da sua página não é o objetivo de um web designer, na verdade, isso atrapalha a imersão do visitante.

Qual o objetivo do Web Designer ao construir um site?

Fazer com que o usuário se sinta tão entretido e confortável em seu site que fique navegando nele até o sono chegar. Para isso, a sutileza é regra, a facilidade na navegação também. Menos sedução, mais imersão. Direcionar o visitante para o que você quer sem que ele perceba a condução requer muito trabalho. 

Obviamente há mais áreas a se explorar, mas estamos na Web aqui, certo? E já escrevi demais. 

Você também vai gostar disto…

Ir ao Topo